terça-feira, 5 de março de 2013

Fanfic: Em busca da Rosa Sombria


Para minha primeira divulgação e opinião, citarei “Em busca da Rosa Sombria”, do Guilherme Fraga:


Sinopse:
Uma rosa sombria é tudo que desejo,
Languescente calvário de carinho mórbido
Longe repousam em túmulo desconhecido meus ancestrais, os odeio,
Partilho apenas a saudade do Porto, nostalgia de tempos não vividos
De profundos anseios jamais realizados.
Amor que envolve pensamentos cálidos
Voltando-se para a contemplação do crepúsculo,
A mãe clama com pássaros profetizando augúrios
Desejos incendiados e sensuais delírios
Como gostaria de estar ao teu lado, flor de Poeta escolhida.
Mar infinito traspondo corações e febris paixões
Mãos entrelaçadas e beijos em pensamentos,
Tua pele alva serena sobre o plenilúnio
Fiel deidade pagã, toma minha alma em teus braços
Oferta o recanto de coração alentado,
Aflorando doces sentimentos que entorpeçam meu pranto.
Claustro vampiro aguardando a estadia eterna em cova rasa,
No luto dos que restam apenas tétricas chagas fechando-se sobre meus olhos,
Rosa sombria em fervor reconhece o clamor intemerato,
Guarda-me em teu carinho velando pelo ébrio de sangue infausto,
Apaixonado noctívago absorvendo palor de existência fúnebre.


O que viram foi um poema, de RaimundoSturaro ,que retrata em tom sombrio e romântico (poema gótico) sobre uma “rosa sombria”. Amei o poema, mas vocês perguntam o que tem haver o poema com a fanfic?!
A fanfic retrata de um mito – criado pelo Guilherme Fraga – de uma rosa normal que foi corrompida por Hades e assim se tornou sombria. Dizem que a rosa realiza os sonhos de todas as pessoas que a encontrarem.
Então voltamos para nossa época em que conhecemos Logan Mitchell, protagonista e narrador da estória, que após fugir dos policiais (não me perguntem o motivo) conhece Catrina Dyson – turista rica – e chantageia a garota para ajuda-lo a fugir. Ai, entramos em momentos engraçados com os dois.
“–Tudo bem, mas o que quer comigo?
– Eu? Nada, mas já que se ofereceu – disse, me atirando no sofá – pode trazer uma coisinha pra mim comer, estou morrendo de fome.
Ela começou a rir ironicamente, odeio quando alguém faz isso, só eu posso rir ironicamente.
– Não quer nada mais, não? – ela realmente quer que eu responda?
– Então, traga também um travesseiro e alcance controle da TV, e se for atrapalhar me avise que tenho mais coisas para você fazer.
Então Katrina “ajuda” Logan a fugir até um circo, assim conhecem Luke e meu fofo Ren, um tigre branco. O garoto de 14 anos propõe ir em busca da Rosa Sombria e com pouco esforço o “casal irônico” (quem irá ler, entenderá meu apelido) aceita ir, já que cada um tem um sonho a realizar. Então, o que adianta não arriscar?!
Eu, particularmente, amei a narração, mesmo com uns errinhos básicos, a estória me prendeu desde a narração - personagem de Logan, um rapaz engraçado e convencido. Digamos que a narração é atraente e me fez gostar de Logan, logo de cara. No decorrer dos capítulos aparecem outros personagens que irão se juntar na busca da rosa sombria, cada um com seu passado e personalidade única: Katrina com seu jeito sarcástica; Luke fofo e sonhador (gosto do modo dele de conversar com Logan); o nosso querido Logan e seu jeito convencido, mas possui um lado protetor. E outros personagens pela frente.
Possui um pouco de mitologia grega, mas não se iludam, boa parte da fanfic, os mitos são criados pelo autor que sempre coloca (até agora pelo menos) poemas que serão pistas para suas missões.
Aventura e fantasia é o foco da fanfic. Os personagens (que alguns são feitos pelos leitores) são ótimos. Caso alguém queria participar é só falar com o escritor Guilherme Fraga. Uma coisa que quero muito nessa fic é que os outros recebam também destaque, isso torna o texto enriquecedor, e até agora estão recebendo.
Fiz uma pequena entrevista com o autor da Em busca da Rosa Sombria, assim entenderá o trabalho dele.
Manu - Como sou um pessoa sem vergonha na cara, direi o apelido. Gui, me fale um pouco sobre você?
Gui Tenho 14 anos, moro em Porto Alegre no Rio Grande do Sul, moro com meus pais e às vezes me pergunto como ele e outras pessoas me aguentam, pois poxa vida, eu sou chato.

Manu - Por que sua fic é chamada de Rosa Sombria? Gostaria que falasse um pouco sobre ela.
Gui - Bom, rosa sombria obviamente não veio do nada, a fic inicialmente deveria ser “Em busca do olho de Hórus”, o foco principal, que é a aventura e as viagens, continua o mesmo, mas achei que seria mais fácil eu fazer utilizando componentes da mitologia grega, mas como eu sou muito complicado, fiz mais algumas mudanças, que em minha concepção só melhoraram a fic, assim abrindo espaço para a entrada de diversas mitologias. Quando penso em rosa sombria eu objetivo algumas idéias anteriores que tive com o nome rosa sombria, como por exemplo, o “núcleo da rosa sombria.

Manu - Essa é para algumas que gostam um pouco de romance. Terá na sua fanfic?
Gui - Sim terá romance. Não acho que só porque é uma fic de aventura eu devo excluir o humor e o romance, mais um pouco para frente já foco mais nos casais, apesar de alguns já estarem prontos.

Manu - Onde você tirou essas ideias para sua fanfic?
Gui - Minhas ideias vêm a todo o momento, e tenho que cuidar disso, pois posso estar no meio da aula e uma ideia surgir, daí chego a casa e estou bloqueado. Mas, creio que grande parte minhas ideias para essa fanfic, vieram de textos, jogos e filmes.

Manu - Como você começou a escrever fanfic? E por quê?
Gui - Essa fanfic é uma reciclagem de “Em busca do olho de Hórus”, eu já havia começado a escrever, (isso antes de conhecer o nyah), mas acabei não curtindo o que escrevi e deixei guardado para o momento certo, e pelo visto foi bom eu ter feito isso. Porque sempre tive vontade de escrever algo como essa fic.

Manu - Quais são os gêneros que você mais gosta em uma fic? Ex: romance, suspense, hentai, ação, aventura, entre outros. E por que a escolha?
Gui - Bom, eu gosto muito de aventura e viagem. Adoro a descrição dos lugares para onde os personagens estão indo, parece engraçado, mas é isso. Gosto também de comédia, romance e de vez em quando uma tragédia cai bem.

Manu - Diga-me quais são seus escritores favoritos de fanfic e também algumas estórias que você goste. 
Gui - Bom, eu conheci o nyah devido as fanfics do BTR, então não posso me esquecer dessas autoras, mesmo que algumas fanfics tenham sido excluídas. Gosto muito da Alana Henderson, que escreveu “Everythings Better With You”, uma fic muito boa, recomendo. Sem querer puxar muito o saco, mas tenho que dizer que adoro de mais “Our World Online” escrita por você (Manu San Angel Silver), e muitas outras fanfics é claro.

Manu -Você tem algum ritual para escrever suas estórias?
Gui - Hmm, ritual... Creio que sim. Eu não consigo escrever sem música, e claro não qualquer música, tem que ser uma música que combine com o que eu estou escrevendo.

Manu -Gui, você tem alguma travada na hora de escrever? Caso tenha, como você consegue elimina-la?
Gui - Tenho, não é toda a vez que vou escrever, mas tenho, e quando isso acontece tenho que ficar em silêncio e pensar, ou eu procuro o que acho que está faltando, isso ocorre muito quando não sei que palavra se encaixa melhor.

Manu - O que é escrever para você?
Gui - Acho que escrever é muito mais que pedir para outras pessoas lerem. Acho que escrever é se expressar do seu jeito e no seu tempo. Colocar suas idéias no papel e desenvolve-las é algo mágico, e que eu tenho o prazer em rosa sombria e em Acemira também.

Manu -Você teria algum conselho em especial para novos escritores de fanfics?!
Gui - Nossa, hmm... Acho que escrever sobre aquilo que você gosta e conhece bem. Por exemplo, poucos sabem que eu comecei escrevendo “Paralyzed” do Big Time Rush e não era algo muito legal, era confusa e eu me matava para fazer 100 palavras e poder postar o capítulo. Então acho que se você está começando agora, tenha calma e de tempo ao tempo, não se afobe ao pensar que o número de linhas é importante. O que importa é a qualidade, e se VOCÊ gostou dessa qualidade, leitores não gostam de capítulos que os escritores não gostaram.

Manu - Quanto tempo, em média, você leva para escrever um capitulo da sua fic?
Gui - Depende do quão inspirado eu estou, se tenha outras coisas para fazer, depende muito, mas creio que em média uma tarde, ou um pouco menos. Acho que é isso.

Manu - Sua família e amigos sabem sobre suas fanfics? Caso saibam, o que pensam a respeito?
Gui - Sabem e não sabem. Alguns familiares sabem que escrevem e já leram, dizem até que tenho talento para a coisa, mas não mais que isso. Já meus amigos, dizem que vão ler e acabam não lendo... É a vida.

Manu - Tem algum autor em especial que te influenciou a escrever ou te inspirou de alguma forma? 
Gui - Eu confesso que ler 50 tons me ajudou um pouco a melhorar o que escrevo, gosto da narração que E.L. James trás aos livros e é provável que isso tenha me ajudado nos últimos capítulos que escrevi.

Então com esse “pequeno texto” que leram, recomendo para leitores que gostem de mito e aventura a lerem a fanfic, darem seus comentários e divulgarem (se puderem) a fic de Guilherme Fraga.

Agradeço!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Utopianos por e-mail