segunda-feira, 22 de julho de 2013

Resenha: Seraphina

Ultimamente com minha pouca experiencia como leitora de muitos blogs e blogueira - principalmente a última -, eu estou melhorando o jeito de resenhar um livro ou até mesmo a fanfic. Claro, isso será dado mais a frente. Espero que gostem desse jeito nas postagens, como sou novata, claro, que gostaria de opiniões para melhorar com o tempo meu blog.
Mas chega de lorota e vamos para a resenha.



Resenha do livro Seraphina - "A garota com coração de dragão"

"Eu me lembro do dia em que nasci.
Na verdade, lembro-me de uma período anterior a esse."
A capa é linda, não tem como negar, sendo a primeira razão do meu interesse com o livro. Ai, em seguida o tema dragão aparece. Deixe-me explicar, com o tempo, vocês irão conhecer que meu fraco por fantasia é evidente e não podemos esquecer a palavra Dragão. Répteis grandiosos e magníficos, com assas enormes de morcego e soltam chamas produzidas dentro da sua massa corporal. ELES SÃO PERFEITOS COMO CRIATURAS FANTÁSTICAS!!!... *parei* Preciso me acalmar!

Com o pouco tempo de estréia, comprei no SALIPI ( Salão de livros do Piauí) com 'descontinho', ainda por cima. Infelizmente, tive que esperar até o termino das aulas e outros afazeres para desfrutar do querido livro.
Seraphina, além de ser o nome do romance de estreia de Hartman, é o nome da personagem principal que, como vemos na capa, é uma meio-dragão. 
Existe um acordo, que propõe "harmonia" entre humanos e dragões, conhecido como Tratado da Paz, onde os dragões devem, pelo método, transforma-se em humanos e usar sinos para ser identificados. Tudo para apaziguar o tratado de quarenta anos. Coloquei aspas, para reformular que humanos ainda temem os grandes répteis, assim como o jeito frio e inexpressivos destes, pois, para os Dragões, ter sentimentos como amor, por exemplo, é inútil para sua lógica, porém o Tratado de Paz foi o fim de uma longa guerra entre essas duas raças no reino de Goredd
Estranhamente, mesmo com essas diferenças, existem poréns - como toda boa história - e um desses poréns fez nascer Seraphina Dombegh, uma meio-dragão; jovem de grande talento para música que contraria seu pai, sobre não chamar tanta atenção por sua condição sanguínea, e começa a trabalhar com compositor exigente da corte, Viridius, infelizmente, para nossa personagem, coincide com o assassinato de um membro da família real com evidencias de ter sido morto por um dragão. O que irá abalar com o Tratado de Paz entre ambas as raças, justo quando, o reino Goredd, receberá o líder dos dragões. 

"Os dragões não tem alma.
Ninguém esperava religiosidade da parte deles."

A narrativa é lenta - principalmente no inicio -, e encantadora, com direito a reflexão, com uma descrição ótima. Possui romance, mas não é a trama em si, a estória está mais na politica e religião do reino - original de Rachel Hartman - e no subconsciente da Seraphina, que no decorrer da história sabemos sobre seu passado, assim como ela faz de tudo para esconde-lo pelo seu nascimento ser anormal perante a todos. Alguns personagens secundários são encantadores, possuindo seu próprio passado e personalidades únicas. Eu, por exemplo, tenho uma paixão pelo Morcego das frutas, além do Príncipe Lucian Kiggs e adorável Princesa Glisselda. Que fez lembrar muito minha amiga. E, quase esquecendo, o dragão e professor Orma, que ganhou minha simpatia com o tempo.
Diagramação da capa é simples e bonita demais, com um detalhe dourado no titulo, infelizmente com o tempo ele some (então ao comprar o livro, já esteja avisado sobre isso). Politica, religião, costumes, preconceito e entre outros elaborados por ela com originalidade, tendo até um glossário nas últimas páginas, para não perdemos o sentido da trama. 
Terá continuação, provavelmente seja no próximo ano, não tendo um final feliz por parte do casal romântico, mas me animou bastante com quase todas as respostas respondidas nesse livro.
Recomendo uma fantasia contendo trama politico, onde a lealdade e o amor estão em jogo e o preconceito é evidente entre as raças presentes.

"Ele sorriu..
Ah, eu poderia viver um longo tempo com esses sorrisos. 
Eu os semearia e os colheria como trigo"

Nota: 


2 comentários:

  1. Eu simplesmente adorei a resenha, e até me deu vontade de ler. Adorei o modo como escreveu e o jeito que usou as palavras. Espero poder lê-lo, pois, assim como você, amo fantasia rs.
    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Aff mais um pra minha lista de desejados. rsrs
    Gostei muito da resenha.

    Indiquei seu blog ao selo The Versatile Blogger Award

    Bjkss
    http://movimentodolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Utopianos por e-mail